Deus, seu sorriso é uma janela para minha alegria. A noção exata de te sentir me faz tão feliz. Foi tão rápido que descobri o brilho de um astro, aquele que iria fazer de minha história um recomeço de amor. Houvram pedaços que se soltaram, e ficaram lá atrás, mas eu não esqueci. De certo modo estão colados na minha memória. Todos tiveram suas cores, alguns cinzas, craquelados, alegres, e outros coloridos demais.Em cada um deles eu vivi de coração. Eu ouvi o AMOR me chamar, ELE brincava comigo quando minha tristeza precisava de risos. Eu senti sua voz me ninar, quando eu chorava de frio e de fome. Adormeci muitas noites, imaginando um copo de leite, nem precisava ser quentinho e cheio, bastava matar minha fome. Muitas vezes não fazemos nada, e não há nada que se possa fazer com isso. Mas a minha direção era sempre iluminada pelo Sol. Por quê? Eu me fiz muito essa pergunta. Mas tratava de me fortalecer me dando a resposta positiva, que um dia tudo iria ser bem azul, e no fundo um arco-íris mandado pelo Céu, iria indicar a direção que eu precisava seguir. “Não chore Fernandinha, a gente um dia vai ter um pai e uma mãe, irmãos, um lar e você até vai poder comer empada no domingo”. Eu me dizia isso sempre que pensava não haver mais maneira de me dar força, por me sentia fraca de fome. Eu olho para trás e sinto um orgulho tão grande de mim, é sério! Eu sinto. Quando recordo aquele tempo, meus olhos mergulham num mar de emoções. Como fui corajosa diante das noites em bancos de praças. Mas eu não sabia o que era perigo até eu ficar grandinha. No entanto tudo já vem bem detalhado, e com um cuidado excessivo do Criador. Nenhuma criança fica desamparada a seus olhos. Ontem eu vi do ônibus, um menino de rua caído com um saco de cola nas mãos, aquilo me doeu inteira. Pedi que o Senhor colocasse alguém em seu caminho ali, para ajudá-lo a sair daquilo. Precisamos conscientizar nossas crianças, de que as drogas são bichos papão desde cedinho, para que elas não tenham a curiosidade de experimentar. Orientar estas crianças de que não devem aceitar balas ou qualquer outro presente de estranhos, porque existem muitas pessoas mal intencionadas por aí. É incrível como a confiança perdeu o sentido no mundo. E o mal tomou conta de corações por opção de quem os carrega. Comecei falando de amor e me estendi para outro rumo, que não deixa de ter amor no meio. Mas eu sinceramente espero que o hoje, seja mais correto em relação àqueles que moram nas ruas por falta de opção. Eu espero que cada olhar que se depare com um sem-teto, esteja de alguma forma próximo de fazer a sua parte. É perigoso se aproximar de alguém assim? Na maioria das vezes sim, mas há muitas formas de ajudar. Tive sempre em mente o que queria. Aprendi a ler sozinha juntando palavras, me fascinava quando via alguém lendo próximo a mim, era sempre uma nova descoberta. Agradeço pelo que tenho hoje, ao Senhor do alto que nunca me deixou sozinha, por meus pais que mesmo eu sendo uma menina-grande não hesitaram em me adotar aos 14 anos de idade. ♥

★☾ ✿Gente - Miúda✿

★☾ ✿Gente - Miúda✿
Era uma vez, uma garotinha que se chamava... Bora ler!

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Dia "D"

(Autoria: Fernanda)

Hoje eu não sei o que digo de mim.
O que sinto aqui são miscelâneas, misturas de riso e tristeza.
O universo é todo isso, uma mistura do amor e do ódio.
Sei que o que amplia em maior quantidade é a escolha de cada um.
Os meus olhos sentiram o sal do mar, escorrer por eles sem timidez, e minha face banhou-se de desabafos interiores.

Como seria se eu tivesse podido estar com você?
Será que eu seria tola?
Sonhei-te de costas para mim, e eu correndo em tua direção.

Uma criança e seu amor imenso, eu fui aquela que esperou tantas noites em claro.
E pedia “mãe não me dê as costas”, mesmo sem saber dizer uma palavra.
Todas as crianças vêm com seu próprio manual, eu trouxe o meu.
Eu senti teu coração bater junto com o meu.
Fiquei na tua barriga e herdei parte de ti.
Teus traços com certeza são aproximados ao meu.

Eu era aquela que não pediu nada, não entendeu nada e nasceu com o brilho do sol presenteando a manhã.
Um grão de areia num novo e desconhecido habitat.
Alguém me guiou até o entendimento, mas não lembro esta parte.
Só lembro quando percebi que havia um brilho bonito no céu, e aí eu já tinha 4 anos.
Foi minha primeira descoberta e me esforcei para falar estrela durante um tempo, mas “estela” ainda persistiu ali.

A frieza das noites era maior sem sentir teu amor.
Eu nunca soube o que foi que aconteceu.
Eu não entendi os motivos, mas procurei a melhor saída para não doer tanto meu coração.
O gelo se fez nas noites de inverno e houve vezes que eu gritei em frente ao mar a palavra “mãe me busca aqui”.
Ambas viramos caçadoras de sombras, procurando o que nunca podíamos tocar.

Um dia...
Sempre dizemos esta palavra, para arrumar algo, ou piorar as coisas.
Mas para nós não foi bem assim.
Um dia vinha verde como se supõe a esperança, e dava continuidade em mim.
Assim quando uma estação chega, logo acaba e vem uma outra e outra, mas a saudade sempre fica carregada de força, e sei que durará para sempre.

Meus olhos caminharam mais depressa que minhas pernas.
Eles buscavam , intuição de filha nos rostos das ruas.
Fiz muito isso sabe?
Mas não soube saber...
Direção, quer dizer tantas coisas, mas eu só queria que dissesse o endereço.

A chuva cai tão meticulosa, me molha sozinha, você não está.
Nós poderíamos ser um belo plural, mas não conheci assim.
Eu fui sempre singular até o momento que o sol brilhou e clareou todo o cinza.
Então eu vi a luz de olhares preciosos, de abraços fraternos tão apertados que rumei para ali e fui morar naquele carinho.

Sua barriga quele lugar não era meu, só me guardou por um tempo, o tempo que você não teve controle.
Eu desenvolvi e vim conhecer o mundo.
Mais nunca diga que é tarde demais para algo, temos todo o tempo do mundo se for a vontade de Deus.
Eu fui uma criança alegre e cresci na mesma alegria.

Você fez bem em não se voltar, eu sei que isso era para ser assim.
E sabe? Eu sempre te amei.
E esse amor foi tão milagroso por dentro de mim.
Há tantas chances para as coisas boas.
Suspirei fundo muitas vezes, para impedir que as lágrimas perdessem o controle, e me molhasse inteira.
Mais sempre chega o dia D.
Então não mais esperei , fui caminhar dentro de outros corações.

4 comentários:

  1. Fernanda,

    Quando sentimos o sangrar do amor provocado pela ausência dos seres mais amados, atraimos o amor pela essencia do que somos... Seremos amados!!

    Beijos :)

    ResponderExcluir
  2. Fernanda querida

    Talvez seu coração se acalmasse muito se algum dia pudesse encontra-la, talvez aí se encerrasse uma etapa, talvez a porta que ela abriu no dia em que saiu daquele orfanato sem você, possa ser fechada assim.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  3. Amiga
    leio tudo aqui e me
    emociono sempre,
    mais o mais emocionante
    é ver mesmo através de poemas
    sem ti conhecer pessoalmente
    a pessoa maravilhosa que és.
    beijokas

    ResponderExcluir
  4. Fernanda, o teu manual só pode ser excelente.
    Beijos.

    ResponderExcluir

♥♫